Saúde Masculina

Ressaca: tudo o que você precisa saber para evitá-la

Bruno Mai
Escrito por Bruno Mai em 9 de janeiro de 2020
Junte-se a mais de 1.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Exagerou na bebida e está vivenciando um mal estar incomparável, com direito a náuseas, dor de cabeça e fadiga muscular? Então é provável que você esteja sentindo na pele os sintomas de uma intoxicação aguda por álcool, mais conhecida como ressaca.

A ressaca é uma coleção de sinais e sintomas ligados ao consumo recente e elevado de bebida alcoólica. Com ela o indivíduo normalmente sente dor de cabeça, enjoo, vertigem, sonolência, sensibilidade à luz e sede. Contudo, os sintomas, bem como sua intensidade, podem variar de pessoa para pessoa.

E quem nunca teve pelo menos uma ressaca na vida, não é mesmo? Muitas vezes, apenas o simples fato de misturar bebidas diferentes, ainda que em pequenas quantidades, já é o suficiente para que a ressaca se faça presente no dia seguinte.

Ela pode ocorrer a qualquer hora do dia, mas costuma ser mais comum pela manhã, logo após uma noite de muita bebida.

Segundo os especialistas, a ressaca costuma surgir entre 6 e 8 horas após o consumo, quando as concentrações de álcool no sangue retornam a níveis próximos de zero.

Além dos sintomas físicos a pessoa pode experimentar níveis elevados de ansiedade, irritabilidade e tristeza.

A severidade dos sintomas está intimamente ligada à quantidade de álcool consumida e se o indivíduo já dormiu o suficiente; quanto menos horas de sono, pior a ressaca. Então, cuidado com a bebedeira se você precisa trabalhar no dia seguinte, ok?!

É realmente impossível dizer quanto álcool pode ser consumido com segurança para evitar uma ressaca - depende do indivíduo e de outros fatores, como o quão cansado ​​estava antes de começar a beber, se já estava desidratado antes de começar, se ingeriu água entre os copos de bebida e quanto dormiu depois.

Como o álcool age no organismo?

O álcool tem uma ampla gama de efeitos no corpo, muitos dos quais contribuem para os sintomas da ressaca. Alguns destes incluem:

Desidratação

Já reparou que quando bebemos temos uma tendência a ir mais vezes ao banheiro do que o normal? Não é impressão sua. O álcool inibe um hormônio que regula a atividade da bexiga, além de ter ação diurética. Como resultado o corpo fica desidratado mais facilmente, favorecendo alguns dos sintomas mais comuns da ressaca, tais como a dor de cabeça, tontura e a sede constante.

Efeitos gastrointestinais

Outro efeito do álcool é a irritação da mucosa do estômago. Isso acontece pois o ingrediente favorece o aumento da produção de suco gástrico, deixando-o mais ácido e irritado.

O consumo intenso de bebida alcóolica também pode alterar o funcionamento do intestino. Por isso, a ressaca pode vir acompanhada de náusea, vômito e diarréia.

Contudo, se você nota que uma pequena quantidade de álcool já lhe causa dores estomacais, azia e/ou refluxo, isso pode ser sinal de problemas mais graves e que merecem investigação médica.

Desequilíbrio eletrolítico

Como uma das consequências da grande eliminação de líquidos motivada pela ingestão de bebida alcoólica é comum ocorrer o desequilíbrio eletrolítico. Em resumo, eletrólitos são substâncias ionizadas essenciais para a manutenção das funções do organismo. A falta deles, por sua vez, pode colaborar para o surgimento de sintomas como fraqueza e dores de cabeça.

Efeitos no sistema imunológico

Quando você bebe, os órgãos, principalmente o fígado, passam a trabalhar intensamente para metabolizar o álcool ingerido. Com o excesso pode ocorrer uma sobrecarga, favorecendo os sintomas da ressaca.

Além disso, seu corpo pode demorar mais do que o normal para sair do modo “bêbado” e voltar a trabalhar normalmente. Consequentemente, o sistema imunológico pode ser prejudicado, resultando em náuseas, falta de concentração e diminuição do apetite.

Vasos sanguíneos dilatados (vasodilatação)

Outra consequência do consumo de álcool é a dilatação dos vasos sanguíneos, acelerando os batimentos cardíacos e elevando a pressão sanguínea. Como consequência, a dor de cabeça, que é um dos sintomas clássicos da ressaca pode surgir.

Dificuldade em dormir

Beber demais afeta a arquitetura do sono, diminuindo significativamente a sua qualidade. Assim, é comum que você acorde mais cansado ou até mesmo tenha dificuldade para dormir. Por isso, a ressaca tende a se tornar ainda mais forte e desagradável.

Por que as ressacas ocorrem?

Aproximadamente 75% dos que tomam álcool em excesso experimentam ressaca. O consumo de quantidades relativamente grandes de álcool leva a sintomas mais graves, como dor de cabeça, náusea, vômito, sede e secura da boca, tremores, tonturas, fadiga e cãibras musculares.

Frequentemente há uma queda nas habilidades cognitivas ou visual-espaciais. Outros sintomas, como taquicardia (batimento cardíaco acelerado) e alterações na pressão sanguínea, podem passar despercebidos, mas acontecem.

Embora a verdadeira causa da ressaca ainda esteja em debate pela ciência, ela parece envolver diversos fatores.

Os produtos químicos formados durante o processamento e a maturação do álcool, conhecidos como congêneres, aumentam a frequência e a gravidade da ressaca. Pacientes com ressaca mostram alterações nos níveis sanguíneos de vários hormônios, que geralmente são responsáveis ​​por alguns dos sintomas da ressaca. Por exemplo, o álcool inibe o hormônio antidiurético, que leva ao excesso de micção e desidratação. A desidratação acentua os sintomas de uma ressaca.

Outros fatores que contribuem para uma ressaca de álcool incluem o consumo de maiores quantidades de álcool do que a pessoa pode tolerar.

Indivíduos que bebem álcool rapidamente, ou sem comida, ou sem diluí-lo com bebidas não alcoólicas, são mais propensos a desenvolver uma ressaca, assim como misturar diferentes bebidas alcoólicas.

Além disso, fumar, música alta, luzes piscantes e diminuição da qualidade e quantidade de sono podem agravar as dores de cabeça da ressaca. Assim, pode-se diminuir a gravidade da ressaca, prestando atenção à quantidade e tipo de álcool consumido, além de controlar os outros fatores mencionados.

Como evitar e curar a ressaca?

Se você chegou até aqui é provável que queira saber se existem meios eficientes de evitar a ressaca. A resposta para essa questão é cercada de mitos e senso comum, muitos deles sem qualquer comprovação científica. No entanto, existem maneiras baseadas em evidências para evitar ressacas, ou pelo menos torná-las significativamente menos intensas. Confira:

Coma algo antes de beber

Quando você ingere bebida alcóolica de estômago vazio a absorção do álcool pelo organismo é muito mais rápida, sobrecarregando os órgãos e favorecendo a ressaca.

A primeira dica para evitar estes sintomas desagradáveis no dia seguinte é sempre se alimentar antes de beber, de preferência com alimentos ricos em gordura e amido, que desaceleram a absorção da bebida pelo corpo. 

Beba muita água

O álcool é conhecido por favorecer a desidratação. Apesar de esta não ser uma causa direta da ressaca, a redução dos níveis de água no organismo pode, sim, colaborar para que surjam sintomas como boca seca, dores de cabeça e fadiga muscular.

Felizmente, a desidratação pode ser facilmente evitada apenas bebendo água em abundância. Outra vantagem é que a água é um diurético, aumentando a frequência com que você urina e, consequentemente, ajudando a eliminar possíveis toxinas que estejam causando mal estar.

A dica de ouro para evitar que a ressaca dê as caras na sua manhã é intercalar cada copo de bebida com um de água. Seu organismo agradece!

Durma bem

O álcool afeta a arquitetura do sono, portanto, mesmo dormindo é comum que você acorde muitas vezes e se sinta mais cansado no dia seguinte. Além disso, se você é daqueles que bebe até tarde, as horas de sono perdidas podem contribuir para alguns sintomas comuns da ressaca.

A falta de sono ou o sono ruim, obviamente, não podem ser considerados causadores de ressaca. Contudo, ela pode favorecer a irritabilidade e a fadiga, que são companheiras fiéis de quem bebe.

Assim, ter uma boa noite de sono depois de beber pode ser uma boa alternativa para que o seu organismo se recupere. Consequentemente, caso você precise trabalhar no dia seguinte e não consiga dormir, beber demais pode não ser uma escolha inteligente.

Faça uma refeição saudável

O consumo excessivo de álcool quase sempre está acompanhado da hipoglicemia, ou níveis demasiadamente baixos de açúcar no sangue. Isso explica aquela injeção de glicose quando a pessoa tem o famoso “PT”.

Assim como nos itens anteriores, não se pode culpar a hipoglicemia pelos sintomas na ressaca, no entanto, como uma consequência da bebedeira, ela pode favorecer sintomas como fraqueza, vertigem e dores de cabeça.

Para diminuir essa sensação, ao acordar, tente resistir ao enjoo e faça uma refeição nutritiva, tão completa quanto possível. Isso ajuda a estabilizar o nível de glicose na corrente sanguínea e mandar a ressaca embora mais rapidamente.

Considere os chás e alimentos fitoterápicos

As evidências sugerem que muitos sintomas da ressaca são causados ​​por um tipo de inflamação do organismo causada pelo excesso de álcool. Também por isso, estudos mostram que alguns medicamentos da classe dos anti-inflamatórios podem ser eficazes contra a ressaca.

No entanto, sabe-se que o uso de medicamentos também envolve efeitos colaterais, principalmente quando não há prescrição médica. Logo, apostar em alimentos e ervas medicinais pode ajudar a reduzir a inflamação e diminuir a ressaca.

Confira algumas alternativas naturais para a ressaca:

  • Chá de gengibre: favorece a eliminação do álcool do organismo;
  • Mel: reduz o desconforto da ressaca reequilibrando os níveis de açúcar no sangue;
  • Suco de frutas: repõe as vitaminas e minerais perdidos durante o consumo do álcool;
  • Suco de tomate: possui licopeno, que alivia o fígado e diminui os sintomas da ressaca;
  • Água de coco: a água de coco repõe a hidratação perdida, juntamente com vitaminas e minerais essenciais para a manutenção do organismo. Mas, nada de misturar com vodka ou uísque, ok?!

Embora nenhum destes ingredientes impeça completamente a ressaca, suplementos específicos à base de plantas podem aliviar significativamente seus sintomas.

Beba com moderação

A regra é clara: quanto mais você beber, mais intensa e prolongada será a ressaca. Por esse motivo, a melhor maneira de prevenir a ressaca é beber com moderação. Lembre-se sempre: se beber, não dirija! Sua segurança vem sempre em primeiro lugar.

Com a chegada do fim de ano e o clima de festas no ar, fica fácil exagerar na bebida. Confraternização da empresa, dos amigos, da academia, da faculdade e a bebida sempre por perto.

Para prevenir a ressaca é sempre bom preparar o organismo antes mesmo da festa começar. Portanto, se você não conseguir passar em casa, vale a pena pedir aquela porçãozinha no local da confraternização.

Vale também mencionar que a bebida a longo prazo é extremamente danosa para o organismo. Logo, se você vive de ressaca, é melhor rever os seus hábitos. Dentre as doenças que podem surgir devido ao consumo excessivo de álcool estão:

1.   Hipertensão

O consumo regular de bebida alcóolica pode favorecer o aumento gradativo da pressão arterial sistólica. Por outro lado, especialistas afirmam que o álcool também diminui o efeito dos medicamentos anti-hipertensivos, favorecendo o infarto, por exemplo.

2.   Arritmia cardíaca

A bebida alcóolica também pode alterar o funcionamento normal do coração, resultando em arritmias como a fibrilação atrial.

3.   Aumenta o colesterol

Estudos mostram que o consumo regular de bebida alcoólica pode aumentar o LDL (colesterol ruim) e diminuir o HDL (colesterol bom). O resultado é um maior risco de sofrer com problemas cardiovasculares.

4.   Aumento da aterosclerose

Talvez você não saiba o que é aterosclerose, mas certamente já ouviu falar no entupimento das artérias. O consumo de álcool faz com que a parede das artérias fique mais inchada, favorecendo o acúmulo de placas de gordura. Você bebe mais de duas vezes por semana? Então visite o seu cardiologista.

Não estamos dizendo para você parar de beber. A chave para vivenciar os momentos de descontração sem abrir mão da saúde e saber identificar a hora de parar.

Conclusão

A ressaca é um sintoma comum do consumo excessivo de bebida alcóolica e a maioria das pessoas vai experimentar essa - desagradável - sensação pelo menos uma vez.

Com a chegada das festas de fim de ano, muitas pessoas já abasteceram suas geladeiras com bebidas alcoólicas diversas. Junto com elas vem a dúvida: é possível evitar a ressaca?

Como você aprendeu neste artigo, muitos dos sintomas da ressaca podem ser evitados com cuidados simples antes e durante a bebedeira. Mas, se mesmo assim você acordar com dor de cabeça, enjoo, tontura, entre outros sintomas, lembre-se de fazer uma refeição nutritiva, hidratar-se abundantemente e repousar sempre que possível.

Se os sintomas persistirem por mais de 24 horas procure um médico para uma investigação adequada. O mesmo vale caso desmaios, perdas de consciência e outros sintomas graves acompanharem a bebedeira.

Gostou das dicas de hoje? Então, compartilhe o artigo com aquele seu amigo que vive de ressaca. Tem outras dicas para aliviar os sintomas e ficar novinho em folha? Conta para a gente aqui nos comentários e não deixe de acompanhar as novidades do blog.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *